Devocional

Estabelecido para sempre

Setenta autoridade geral

22 de janeiro de 2019

Áudio
0:00/22:22
Baixar
Tocar
0:00
Vídeo completo
Devemos estar alicerçados na rocha da revelação e, embora não saibamos a resposta para cada pergunta, devemos conhecer as respostas para as perguntas primárias. Se assim fizermos, as portas do inferno não prevalecerão contra nós, e estaremos estabelecidos para sempre.

Pretendemos modificar a tradução se for necessário. Para dar sugestões, envie um e-mail para: speeches.por@byu.edu

Há alguns anos, como parte de uma designação que recebi como autoridade geral, precisei ler uma grande quantidade de materiais contra A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, o profeta Joseph Smith, o Livro de Mórmon e os eventos da Restauração. Talvez não haja nada dessa natureza que eu não tenha lido. Depois que terminei aquela designação, nunca mais voltei a afundar naquele lamaçal novamente.

Ler esse material sempre me deixava com uma sensação de tristeza, o que me motivou a escrever uma resposta parcial a todas essas alegações antagônicas. Gostaria de compartilhar com vocês alguns dos pensamentos que registrei naquele dia e, embora os tenha escrito para meu benefício, espero que também sejam úteis para vocês.

Eu queria dar um discurso diferente hoje. Escrevi outros discursos mais interessantes, com mais histórias — mais engajantes do que este — mas cada vez que escrevia um novo discurso, eu era direcionado de volta a esse.

Vocês estarão estabelecidos para sempre?

O profeta Daniel disse que, nos últimos dias

o Deus do céu levantará um reino que não será jamais destruído; e esse reino não será deixado a outro povo; esmiuçará e consumirá todos esses reinos, mas ele mesmo estará estabelecido para sempre.1

O reino de Deus é A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Esse reino “estará estabelecido para sempre”.

A pergunta é: Vocês e eu estaremos estabelecidos na fé? Vocês estarão estabelecidos para sempre ou irão embora? E se forem, aonde irão?

A enganação é um sinal de nossos tempos

Quando o Senhor descreveu os sinais de Sua vinda e do fim do mundo, quando descreveu nossos dias, Ele mencionou muitas coisas, inclusive guerras e rumores de guerras, nações se levantando contra nações, fome, pestilências, terremotos e muitos outros sinais, inclusive este:

Porque nesses dias [— nossos dias —] surgirão também falsos Cristos, e falsos profetas; e farão tão grandes sinais e prodígios que, se possível, enganarão até os eleitos, que são os eleitos de acordo com o convênio.2

Não sei ao certo tudo o que está implícito na declaração de que, “se possível, enganarão até os eleitos”, mas acho que isso significa, pelo menos, que todos serão desafiados em nossos dias.

Paulo disse: “Vemos por espelho, em enigma “.3 De modo semelhante, uma das características mais proeminentes da visão da árvore da vida é uma “névoa de escuridão (…) [na qual] os que haviam iniciado o caminho se extraviaram dele e, sem rumo, perderam-se”. 4

O amplo espectro de enganações

Há muitos que enganam, e o espectro de enganações é amplo. Por um lado, encontramos aqueles que atacam a Restauração, o profeta Joseph Smith e o Livro de Mórmon. Em seguida, vemos pessoas que acreditam na Restauração, mas afirmam que a Igreja tem deficiências e perdeu o rumo. Há outros que afirmam crer na Restauração, mas estão desiludidos porque a doutrina entra em conflito com as mudanças de atitudes da nossa época. Há alguns que, sem autoridade, afirmam que tiveram visões, sonhos e visitações angelicais que os chamaram para endireitar o leme, guiar-nos para um caminho mais elevado ou preparar a Igreja para o fim do mundo. Há também os que são enganados por falsos espíritos.

E, no extremo do espectro, vemos um universo de distrações. Nunca houve mais informação, mais desinformação e mais má informação; mais bens, mais aparelhos e mais jogos; e mais opções, mais lugares e mais coisas para se ver e fazer a fim de ocupar nosso tempo e desviar nossa atenção do que é mais importante. E tudo isso e muito mais é divulgado instantaneamente, em todo o mundo, por meios eletrônicos. Estamos em uma época de enganações.

Conhecimento

A verdade nos permite ver claramente porque é o “conhecimento das coisas como são, como foram e como serão”.5 O conhecimento é essencial para evitar enganações, discernir entre a verdade e o erro e ver claramente e traçar um curso pelos perigos de nossos dias.

O Profeta Joseph Smith disse:

O conhecimento é necessário para a vida e a divindade. (…) Conhecimento é revelação. Ouçam, todos vocês, irmãos, este grande conceito-chave: O conhecimento é o poder de Deus para a salvação.6

As pessoas costumam dizer: “Seja fiel às suas crenças” Embora isso seja verdade, uma pessoa não consegue ser melhor do que aquilo que sabe. A maioria de nós age com base em nossas crenças, principalmente as crenças que acreditamos ser de nosso próprio interesse. O problema é que, às vezes, estamos errados.

Há quem acredite em Deus e que a pornografia é errada e ainda assim clica em um site acreditando erroneamente que será mais feliz se o fizer, ou crendo que não tem outra opção a não ser acessá-lo, ou achando que não está fazendo mal a ninguém e não é tão ruim assim. Ele está simplesmente errado.

Há quem acredite que é errado mentir, mas, ainda assim, mente ocasionalmente, acreditando erroneamente que será melhor se a verdade não for conhecida. Ele está simplesmente errado.

Há quem acredite e até mesmo saiba que Jesus é o Cristo, mas, ainda assim, irá negá-lo — não uma, mas três vezes, por causa da crença equivocada de que seria melhor para apaziguar a multidão. Pedro não era mau. Não posso sequer afirmar que era fraco. Ele estava simplesmente errado.

Quando vocês não agem da forma correta, talvez pensem que são maus, mas na verdade apenas estão enganados. Vocês estão simplesmente errados. O desafio maior não é preencher a lacuna entre nossas ações e nossas crenças; na verdade, é preencher a lacuna entre nossas crenças e a verdade. Esse é o desafio.

Mas como preenchemos essa lacuna? Como podemos evitar enganações?

Questões primárias e secundárias

Comecem respondendo às perguntas primárias. Há questões primárias e questões secundárias. Comecem com as perguntas primárias. Nem todas as perguntas e verdades são iguais. As perguntas primárias são as mais importantes. Todo o resto é secundário. Há apenas algumas perguntas primárias. Vou descrever quatro delas.

1. Existe um Deus que é nosso Pai?

2. Jesus Cristo é o Filho de Deus, o Salvador do mundo?

3. Joseph Smith foi um profeta?

4. A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias é o reino de Deus na Terra?

Em contrapartida, as perguntas secundárias são inúmeras. Elas incluem dúvidas sobre a história da Igreja, a poligamia, as pessoas de ascendência africana e o sacerdócio, as mulheres e o sacerdócio, como o Livro de Mórmon foi traduzido, a Pérola de Grande Valor, o DNA e o Livro de Mórmon, o casamento gay, os relatos diferentes da Primeira Visão e assim por diante.

Se responderem às perguntas primárias, as secundárias também serão respondidas ou ficarão menos importantes, e vocês poderão falar de coisas que entendem ou não, coisas com as quais concordam ou não, sem a necessidade de abandonar o barco.

Diferentes maneiras de aprender

Como podemos saber as respostas? Existem diferentes métodos de aprendizagem, incluindo os métodos científico, analítico, acadêmico e divino. O método divino de aprendizagem incorpora elementos dos outros três, mas, na verdade, sobrepõe-se a todos eles, pois utiliza os poderes do céu. Esses quatro métodos são necessários para se conhecer a verdade. O ponto de partida de todos eles é o mesmo: uma pergunta. As perguntas são importantes, sobretudo as perguntas primárias.

O método científico

Com o método científico, uma hipótese é estruturada em resposta a uma pergunta. A experimentação é então realizada para testar as hipóteses. Os resultados são então analisados e são tiradas conclusões que confirmam, refutam ou modificam a hipótese — depois do qual o processo continua. Alma nos convidou a “[pôr] à prova as [suas] palavras”.7 O Senhor disse:

A minha doutrina não é minha, mas daquele que me enviou.

Se alguém quiser fazer a vontade dele, conhecerá a respeito da doutrina, se ela é de Deus, ou se eu falo de mim mesmo.8

Falando sobre o dízimo, o Senhor também disse: “Provai-me nisto (…) se eu não vos abrir as janelas do céu, e não derramar sobre vós uma bênção tal, até que não haja mais lugar para a recolherdes”.9

A verdade pode ser descoberta por meio da prática, que é a fé. A experiência desempenha um papel vital no conhecimento da verdade.

O método analítico

O método analítico também é importante. Envolve reunir, organizar e avaliar evidências relevantes para uma pergunta. Com base no peso das evidências, são tiradas conclusões sobre o que poderia ser a verdade. O Senhor instruiu Oliver Cowdery, dizendo:

Eis que não compreendeste; supuseste que eu o concederia a ti, quando nada fizeste a não ser pedir-me.

Mas eis que eu te digo que deves estudá-lo bem em tua mente; depois me deves perguntar se está certo.10

As evidências e a razão também desempenham um papel na preparação para conhecermos a verdade.

O método acadêmico

O método acadêmico envolve, é claro, o estudo da palavra escrita. O estudo também é essencial. Mórmon disse que a palavra de Deus tem um “efeito mais poderoso sobre a mente do povo [— como pensamos —] do que a espada [que pode ser o medo ou ameaça de morte], ou qualquer outra coisa”.11 A palavra de Deus é mais poderosa do que qualquer outra coisa. É mais poderosa do que o medo, o vício, a pornografia ou qualquer outra coisa. É lógico, portanto, que o Senhor diria: “Entesourai sempre em vossa mente as palavras de vida”.1  Ele também disse: “E quem entesourar minha palavra não será enganado”.13

O método divino

O método divino de aprendizagem incorpora elementos das outras metodologias, mas, na verdade, sobrepõe-se a todas elas, pois utiliza os poderes do céu. Em última análise, as coisas de Deus são dadas a conhecer pelo Espírito de Deus, que geralmente é uma voz mansa e delicada. O Senhor disse: “Deus vos dará conhecimento por seu Santo Espírito, sim, pelo indescritível dom do Espírito Santo”.14

O apóstolo Paulo ensinou que os homens só sabem das coisas dos homens e que as coisas de Deus não são conhecidas por ninguém, exceto pelo Espírito de Deus.15 Ele disse: “O homem natural não compreende as coisas do Espírito de Deus, porque lhe parecem loucura”. Percebemos isso diariamente. Paulo continuou: “E não pode entendê-las, porquanto se discernem espiritualmente”.16

De todos os problemas que encontramos nesta vida, há um que se destaca acima de todos e é o menos compreendido. A pior de todas as condições humanas nesta vida não é pobreza, doença, solidão, maus-tratos ou guerra — por mais terríveis que sejam. O pior de todos os problemas humanos é o mais comum: morrer. É morrer espiritualmente. É ser separado da presença de Deus, o que nesta vida significa ser separado de Seu Espírito ou poder. Essa é a pior de todas as condições.

Por outro lado, a melhor de todas as condições humanas nesta vida não é riqueza, fama, prestígio, boa saúde, honra dos homens, segurança ou até mesmo — falando ousadamente — boas notas. Por mais maravilhosas que sejam essas coisas, a melhor de todas as condições humanas é estar dotado de poder celestial; é nascer de novo, ter o dom e a companhia do Espírito Santo, que é fonte de conhecimento, revelação, força, esclarecimento, amor, alegria, paz, esperança, confiança, fé e quase todas as outras coisas boas. Jesus disse: “O Consolador, que é o Espírito Santo, (…) vos ensinará todas as coisas”.17 É o poder pelo qual podemos “saber a verdade de todas as coisas”.18 “Ele [nos] mostrará todas as coisas que [devemos] fazer.”19 Ele é a fonte da “água viva” que brota para a vida eterna.20

Embora a voz do Espírito geralmente seja uma voz mansa e delicada, é, no entanto, sempre segura, penetrante, abrangente, edificante e amparadora — tanto que o Senhor disse:

E se qualquer falar alguma palavra contra o Filho do Homem, ser-lhe-á perdoado; mas, se alguém falar contra o Espírito Santo, não lhe será perdoado, nem neste mundo nem no futuro.21

Paguem o preço que tiver de ser pago, suportem o fardo que tiver de ser suportado e façam qualquer sacrifício que tiver de ser feito para receber e manter o poder do Espírito Santo em sua vida. Tudo que é bom depende de recebermos e mantermos o poder do Espírito Santo em nossa vida. Tudo depende disso.

“Aquilo que não edifica”

Então, o que era aquela sensação de tristeza que se abateu sobre mim ao ler materiais contra a Igreja há tantos anos? Há quem diga que aquele sentimento provinha do viés da crença, que é a propensão a aceitar apenas aquilo que está de acordo com nossas crenças e suposições. De fato, é triste e perturbador pensar que tudo aquilo em que acreditamos, ou tudo o que nos foi ensinado, pode estar errado, particularmente se não houver nada melhor para tomar seu lugar. Mas a tristeza que senti ao ouvir o sombrio coro de vozes levantadas contra o profeta Joseph Smith e a Restauração da Igreja de Jesus Cristo — a tristeza que me veio ao passar pelo lamaçal das questões secundárias — é diferente. Aquele mal-estar não era o viés da crença, tampouco era o medo de estar errado. Era a ausência do Espírito de Deus. Foi isso que senti. É a condição do homem quando “é abandonado a si mesmo”.22 É a escuridão das trevas e o “estupor de pensamento”.23

O Senhor disse:

E aquilo que não edifica não é de Deus e é trevas.

Aquilo que é de Deus é luz; e aquele que recebe luz e persevera em Deus recebe mais luz; e essa luz se torna mais e mais brilhante, até o dia perfeito.24

A revelação do Espírito de Deus supera o viés da crença, pois suas premissas não se baseiam apenas em evidências. Passei a vida inteira procurando ouvir a palavra do Senhor e aprendendo a reconhecer e seguir o Espírito de Deus, e o espírito que emana das vozes sombrias que agridem o profeta Joseph Smith, o Livro de Mórmon e a Restauração não é o espírito da luz, da inteligência e da verdade. O Espírito de Deus não está nessas vozes. Não sei muito, mas conheço a voz do Senhor, e a Sua voz não estava naquele coro sombrio.

Em oposição diametral à tristeza e ao doentio estupor de pensamento que permeia o lamaçal da dúvida, encontra-se o espírito de luz, inteligência, paz e verdade que permeia os acontecimentos e a gloriosa doutrina da Restauração, principalmente as escrituras reveladas ao mundo por meio do profeta Joseph Smith. Basta lê-las e perguntar a si mesmo e perguntar a Deus se essas palavras são mentiras, enganações ou ilusões, ou se são a verdade.

A verdade não se aprende por eliminação

Há algumas pessoas que temem que a Igreja não seja verdadeira e, por isso, dedicam seu tempo e sua atenção ao lamaçal que são as perguntas secundárias. Tentam erroneamente aprender a verdade pelo processo de eliminação, ou seja, tentando eliminar todas as dúvidas. Essa sempre é uma péssima ideia. Não vai dar certo. Essa estratégia só funciona no jogo Detetive.

A vida, porém, não é tão simples. As alegações e opiniões contra a verdade são inumeráveis. Cada vez que se encontra a resposta para uma alegação antagônica, surge outra inesperada. Com isso, não estou dizendo que vocês devem enterrar a cabeça na areia, mas estou advertindo que vocês correm o risco de passar a vida inteira buscando freneticamente respostas para cada alegação feita contra a Igreja sem nunca chegar ao conhecimento das verdades mais importantes.

As respostas para as perguntas primárias não vêm das respostas para as perguntas secundárias. As perguntas secundárias têm respostas, mas não se pode provar uma afirmação apenas por se refutar todas as negações. Não se pode provar que a Igreja é verdadeira apenas refutando todas as alegações feitas contra ela. Isso jamais funcionará. Essa estratégia é falha. Em última análise, deve haver provas afirmativas e, com as coisas de Deus, essas provas vêm, de modo definitivo e seguro, por meio da revelação recebida pelo testemunho e poder do Espírito Santo.

A Seus discípulos, Jesus perguntou:

Quem dizeis vós que eu sou?

E Simão Pedro, respondendo, disse: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo.

E Jesus, respondendo, disse-lhe: Bem-aventurado és tu, Simão Barjonas, porque to não revelou a carne e o sangue, mas meu Pai, que está nos céus.

(…) Tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela.25

A Igreja de Jesus Cristo está alicerçada na rocha da revelação, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela. Nós somos a Igreja. Vocês e eu somos a Igreja. Devemos estar alicerçados na rocha da revelação e, embora não saibamos a resposta para cada pergunta, devemos conhecer as respostas para as perguntas primárias. Se assim fizermos, as portas do inferno não prevalecerão contra nós, e estaremos estabelecidos para sempre.

Acreditem que “a Deus tudo é possível”

Por fim, acreditem. Acreditem que “a Deus tudo é possível”.26 Nós podemos ser surpreendidos de tempos em tempos por coisas extraordinárias — como andar sobre as águas, multiplicar o pão e os peixes, levantar os mortos, traduzir placas de ouro com lentes especiais ou uma pedra e um chapéu e receber a visita de anjos. Algumas pessoas têm dificuldade de acreditar em coisas extraordinárias. Embora seja compreensível que sejamos desafiados pelo extraordinário, não devemos ser, porque as coisas comuns são realmente muito mais fenomenais.

As ocorrências mais fenomenais de todos os tempos e da eternidade — as maravilhas mais incríveis, os desenvolvimentos mais assombrosos e impressionantes — são as mais comuns e amplamente reconhecidas. Elas incluem: Eu existo; vocês existem; nós existimos; e tudo o que experimentamos também existe, desde partículas subatômicas até os mais distantes alcances do universo e tudo o mais, inclusive todas as maravilhas da vida. Há algo maior do que essas realidades comuns? Não. Nada mais se aproxima disso. Vocês não podem começar a imaginar, muito menos descrever, algo maior do que o que já existe.

À luz do que existe, nada mais deve nos surpreender. Deve ser fácil acreditar que a Deus tudo é possível.

A cura da mão ressequida não é tão incrível quanto a existência da mão em primeiro lugar. Se ela existe, ela certamente poderá ser curada quando estiver quebrada. O evento maior não está na cura em si, mas na criação.

Mais fenomenal do que a ressurreição é o nascimento. O maior assombro não é que a vida, que já existiu, pudesse voltar novamente, mas que a vida exista em primeiro lugar.

Mais incrível do que reviver os mortos é estarmos vivos. Um coração morto que bate novamente não é tão incrível quanto o coração que bate dentro de seu peito agora.

A possibilidade de ver a tradução moderna de um texto antigo escrito em placas de ouro através de uma pedra ou uma lente especial é muito menos incrível do que o olho humano. O assombro não é o que o olho humano pode ver — mas sim que ele consegue ver. Como vocês podem acreditar em coisas extraordinárias como anjos, placas de ouro e seu potencial divino? É fácil, simplesmente olhem ao redor e acreditem.

Não sei se os porcos criarão asas e voarão, mas se o fizerem, os porcos que voam nunca serão tão incríveis quanto o porco comum em primeiro lugar.

Dúvidas e perguntas

Ouvi alguém dizer recentemente: “Não há problema em ter dúvidas”.

Fico pensando sobre isso. O Senhor disse: “Buscai-me em cada pensamento; não duvideis, não temais”.27 Tenho muitas perguntas; não tenho nenhuma dúvida.

Conclusão

Há um Deus no céu, que é nosso Pai Eterno. Sei disso tudo por experiência própria — todas as experiências que tive. Sei disso por evidência, e as evidências são contundentes. Sei disso pelo estudo e, sem dúvida, sei disso pelo testemunho e poder do Espírito Santo.

Jesus Cristo é o Filho de Deus, o Redentor do mundo. Sei disso tudo por experiência própria. Sei disso por evidência, e as evidências são contundentes. Sei disso pelo estudo e, sem dúvida, sei disso pelo testemunho e poder do Espírito Santo.

Joseph Smith foi um profeta de Deus que lançou os alicerces para a Restauração do reino de Deus. Sei disso tudo por experiência própria — todas as experiências que tive. Sei disso por evidência, e as evidências são contundentes. Sei disso pelo estudo e, sem dúvida, sei disso pelo testemunho e poder do Espírito Santo.

A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias é o reino de Deus na Terra. Sei disso tudo por experiência própria. Sei disso por evidência, e as evidências são contundentes. Sei disso pelo estudo e, sem dúvida, sei disso pelo testemunho e poder do Espírito Santo.

Dessa forma, sei tudo aquilo que preciso saber para estar estabelecido para sempre.

Que permaneçamos sobre a rocha da revelação, em especial no que diz respeito às perguntas primárias. Se assim fizermos, estaremos estabelecidos para sempre e nunca nos desencaminharemos. Em nome de Jesus Cristo. Amém.

© Intellectual Reserve, Inc. Todos os direitos reservados.

Notas

  1. Daniel 2:44.
  2. JS — Mateus 1:22; ver também Mateus 24:24.
  3. 1 Coríntios 13:12.
  4. 1 Néfi 8:23.
  5. D&C 93:24.
  6. Joseph Smith, Nauvoo, Illinois, em “Discourse, 21 May 1843, as Reported by Martha Jane Knowlton Coray”, Notebook, p. 40, Joseph Smith Papers Project, josephsmithpapers.org/paper-summary/discourse-21-may-1843-as-reported-by-martha-jane-knowlton-coray/5; grifo do autor.
  7. Alma 32:27.
  8. João 7:16–17.
  9. Malaquias 3:10.
  10. D&C 9:7-8.
  11. Alma 31:5.
  12. D&C 84:85.
  13. JS—Mateus 1:37.
  14. D&C 121:26.
  15. Ver 1 Coríntios 2:9–11; ver também Morôni 2:11.
  16. 1 Coríntios 2:14.
  17. João 14:26.
  18. Morôni 10:5.
  19. 2 Néfi 32:5.
  20. João 7:38; ver também versículo 37.
  21. Mateus 12:32.
  22. D&C 121:38.
  23. D&C 9:9; ver também versículo 8.
  24. D&C 50:23–24.
  25. Mateus 16:15–18; ver também os versículos 13–14.
  26. Mateus 19:26; ver também Lucas 1:37.
  27. D&C 6:36.
Lawrence E. Corbridge

Lawrence E. Corbridge, um Setenta Autoridade Geral de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, deu esse devocional em 22 de janeiro de 2019.